domingo, 1 de março de 2015

dizem que o céu é o limite

Há momentos em que, inexplicavelmente, tudo se simplifica.
Há momentos em que, sem saber muito bem como, nem porquê, os níveis de serotonina disparam e os neurónios comunicam entre si numa espécie de dança assertivamente sincronizada.
É um estranho sentimento que, embora não revele nada de novo, me traz um apaziguamento geral, qual descoberta do santo graal de tudo aquilo que é claro e descaradamente óbvio.
Não sei se isto costuma acontecer a vós, que me seguem nestas linhas, mas caso aconteça, por muito escassas vezes que sejam, só tenho uma coisa a dizer:
 vão por aí.
Porque estou muito certa, pela experiência que tenho, que esta estirpe de momentos que revelam uma bizarra clarividência, só nos podem querer imenso bem.
Posto isto, há que desamarrar os nós, agarrarmo-nos ao essencial e seguir em frente, mesmo que os passos em frente não sejam sinónimo de vitórias.
Tal como disse um dos meus grandes mentores da escrita, Vergílio Ferreira,
 tentar provar o futuro, é muito mais interessante do que poder conhecê-lo; não é o "ganhar", mas sim o "poder ganhar" que é importante. Porque nenhuma vitória se ganha, se se não puder perder. 

e como a vida é feita de tudo o que é bom e mau, de vitórias e de derrotas, de doce e amargo, de risos e lágrimas, de passado e de presente, eu vou por aí, por onde os meus níveis altos de contentamento me ditam caminho, de forma a fazer o meu futuro.




 

Sem comentários:

Publicar um comentário