sábado, 16 de abril de 2016

não é a forma, é o conteúdo



ainda sobre casas.
há dias fui ver uma outra casa estupidamente bonita,  daquelas onde se entra, cai o queixo e andamos os dias que se seguem à procura dele.
mas depois eu penso: então e se tirarmos à casa, a decoração estupidamente fantástica que me embriaga as medidas do regalo à vista, e a puséssemos a nu, ou então com uma indumentária fria, feia, daquelas que repelem...? continuaria ainda assim a ser fantástica, essa mesma casa ?
a resposta pode ser sim e não.
porque há espaços que rogam a clemência do trato e do reparo e é uma pena não lhes ser dado o merecido valor, porque a arquitectura só por si é bela; ou porque há espaços que ninguém daria nada por eles, mas basta vesti-los bem, e toda a história muda de figura.
eu já fui protagonista nestes dois reversos da mesma história e aquilo que eu concluo, é basicamente isto: o conteúdo, senhores. É tudo uma questão de conteúdo. E isto aplica-se basicamente a tudo, universalmente e transversalmente falando.
a capacidade de atribuir uma personalidade ou alma, a um espaço é, a meu ver, uma arte, mais sensível do que aquilo que se possa pensar.
já o fiz algumas vezes na vida e posso dizer que é das coisas que me dá mais prazer, apesar de toda a envergadura chata que uma mudança de casa implica. Faz-me francamente feliz abrir a porta da minha casa a alguém que me conheça minimamente, ao ponto de me dizer que a minha casa é a minha cara . 
é revelador de que de facto os conteúdos que me revelam, andam em concordância.
e eu, em concordância com eles.

*seguem-se pequenos detalhes da minha casa, detalhes esses que farão sempre parte do conteúdo do espaço que habito - seja este, ou sejam outros.



























Sem comentários:

Enviar um comentário